ASSISTA ENTREVISTA

Teimosia do prefeito custa R$ 9 milhões ao Estado diz Rogério Gallo

O secretário-chefe da Casa Civil, Rogério Gallo, foi o entrevistado pelo Jornal da Manhã, da Jovem Pan Cuiabá nesta segunda-feira (06). Um dos temas abordados durante a entrevista foi o impasse entre a mudança de VLT X BRT nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande.

Segundo Rogério, a dura resistência da transformação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) para Bus Rapid Transit (BRT) vindo de Emanuel Pinheiro por meio do Tribunal de Contas da União, custa cerca de R$ 9 milhões ao Estado.

“Estamos aguardando a autorização das obras, a Prefeitura de Cuiabá joga contra o povo cuiabano. O BRT vai revolucionar o transporte público cuiabano. Cada mês que passa com essa cautelar causada pelo Prefeito, dá um prejuízo de R$ 9 milhões de reais aos cofres públicos estaduais. Nós temos um orçamento para essa obra, que é de R$ 465 milhões de reais. Esse orçamento precisa ser corrigido pelo INCC (Índice Nacional da Construção Civil) cada mês que passa o valor é corrigido em 1 ou 2% sobre o orçamento sem obra.

Para o Secretário, a briga de Emanuel Pinheiro com o Estado trata-se de uma “picuinha”, uma vez que a Prefeitura de Cuiabá não possui recursos para custear a obra final do VLT. E que o consórcio do VLT é fruto de fraudes.

Ainda na entrevista, Rogério esclareceu que os vagões do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) não foram negociados com o Rio de Janeiro pois nem ao Estado ele pertence. Gallo explicou que sem o andamento final da obra, os trilhos e vagões são responsabilidades do consórcio originário da implantação.

Confira a entrevista completa: