Candidata afirma que no comitê que seria alvo de assaltantes só tem material de campanha

A presidente licenciada do Sindicato dos Investigadores da Polícia Civil em Mato Grosso e candidata a vereadora por Cuiabá, Edleusa Mesquita (PSB), cujo comitê de campanha seria alvo de assalto na manhã desta quinta-feira (12), disse que ainda não foi comunicada oficialmente sobre o caso e que teve conhecimento do assunto por meio da imprensa. Cinco pessoas foram presas, entre elas três policiais militares.

O comitê fica no bairro Jardim Centro América e lá, segundo Edleusa, só tem material de campanha. Ela contou que na quarta-feira (11) foram jogados santinhos da candidatura no bairro Jardim Passaredo, “para tentar alguma punição por poluição ambiental”, mas que não pensou que algo mais grave que isso pudesse acontecer.

“Eu achei que ficaria só nesse tipo de situação, mas não nesse tipo de intimidação de querer fazer assalto a um comitê. Não sei quem foi que fez isso”, disse.

Edleusa disse que prefere “não acreditar” que o roubo planejado tenha alguma relação com a acusação que sofreu neste ano, de um colega sindicalista, de que teria desviado R$ 1 milhão do Sinpol. Na ocasião, Edleusa declarou que o policial civil em questão estava tentando se promover para as eleições municipais, das quais ele também é candidato.