SUMIU NO REVÉILLON

Jovem que foi sequestrado por engano pelo Comando Vermelho segue desaparecido

O paranaense Douglas Silvério Gomes que desapareceu na madrugada do dia 1º de janeiro deste ano, em Campo Verde (101 km de Cuiabá) segue desaparecido. Ele que passava as festas de final de ano no Mato Grosso está há 1 mês e 18 dias sem contato com a vítima. Familiares aguardam o inquérito policial.

Segundo informações apuradas pela reportagem, na época do desaparecimento, Douglas teria sido sequestrado por integrantes do Comando Vermelho (CV). Eles acreditavam que Douglas fazia parte da organização criminosa rival, Primeiro Comando da Capital (PCC). A família nega.  Na época um vídeo relatando esse medo foi enviado a parentes e foi reproduzido pela imprensa.

“O bagulho aqui é louco, aqui a facção é Comando Vermelho, no Paraná é PCC! Eu tô falando porque eu tô com medo, medo pra c******”, desabafou.

Parentes que moram no Paraná relataram que receberam mensagens e ligações de supostos sequestradores pedindo resgate de R$ 7 mil, mas eles conseguiram chegar a um consenso de pagar R$ 2 mil. A informação é de que os familiares teriam efetuado o pagamento, mas não tiveram mais notícias do paradeiro do rapaz. A reportagem tentou contato com a família, mas ninguém comentar sobre o caso.

“Estou orientada pelo meu advogado a não dar entrevistas para não atrapalhar as investigações policiais, iremos aguardar o resultado do inquérito policial, irei preservar a minha integridade física e moral”, explicou uma prima.

O caso segue investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoas (DHPP).

RELEMBRE O CASO

Segundo informações, Douglas é usuário de drogas e na madrugada do dia 1º teria tido uma crise de abstinência. Ele se levantou e saiu da residência para comprar entorpecentes para o consumo.

Do lado de fora da casa, ele teria sido abordado por pessoas ainda não identificadas perguntando de qual facção ele era integrante. A desconfiança é de que ele tenha sido confundido como membro do PCC por ter uma tatuagem muito parecida com que é usada pelos membros da facção.

Um familiar teria dito também que recebeu uma mensagem dizendo que viram Douglas amarrado e sendo levado por suspeitos a uma casa, mas temem também estarem sendo enganados pelos famosos “trotes”. Um boletim de ocorrência foi registrado pela namorada de Douglas sobre o desaparecimento do rapaz.

A Polícia Civil acompanha o caso.