CASO INDEA: Deputada Janaína Riva pede afastamento de Presidente do órgão

A matéria do PHD News, publicada no começo da noite desta segunda-feira (11), revelou em primeira mão um escândalo onde o então presidente do Indea (Instituto de Defesa Agropecuária) do Mato Grosso é acusado de assédio sexual contra uma ex-assessora de apenas 19 anos. O fato surpreendeu a população cuiabana e trouxe à tona um escândalo envolvendo um dos principais e mais importantes órgãos do estado; envergonhando servidores.
O fato criou um alvoroço e todos os principais sites da Capital, que também em posse do boletim de ocorrência, fizeram suas matérias, onde alguns dos portais até disponibilizaram trechos do documento.
O revoltante caso ganhou, inclusive, a indignação da única representante feminina no Parlamento mato-grossense, a deputada Janaina Riva (MDB) pediu o afastamento do presidente do Indea (Instituto de Defesa Agropecuária) de Mato Grosso, Marcos Catão Dornelas Vilaça, acusado de assédio sexual contra uma ex-funcionária do órgão. O suposto crime teria acontecido ainda no mês de novembro passado, quando a jovem registrou o Boletim de Ocorrência e pediu a exoneração do cargo. O caso agora será investigado pela polícia.
Por meio de sua conta no Instagram, Janaina Riva se mostrou revoltada com o possível crime e anunciou que já pediu o afastamento do acusado do cargo público que exerce. “Sempre que acontece uma situação como essa, ou similar, existe uma cobrança de toda população para que eu, enquanto mulher, única deputada estadual me manifeste. Soube há pouco tempo dessa triste manchete. Já entrei em contato com o secretário da Casa Civil, Mauro Carvalho, que prontamente me atendeu e ouviu minha sugestão: afaste”, postou.
Para Janaina Riva, o caso é muito grave e ela defendeu que todas as mulheres que passarem por situação parecida não se calem e denunciem seus agressores e assediadores. “Enquanto estiver na Assembleia Legislativa, como representante de todas as mulheres de Mato Grosso, não vou me calar. Essa denúncia é grave, é de causar náuseas e a vítima nesse momento, merece nosso apoio. E que sirva de exemplo a todas as mulheres, não são os casos que estão aumentando, seja de assédio sexual ou de violência doméstica, em minha humilde opinião, as denúncias é que estão aumentando”, completou.

Caso ele seja realmente afastado, por ser Servidor de Carreira, também passará por um Padi (Processo Administrativo Indisciplinar).

 

O CASO

 

Uma jovem de 19 anos, identificada como F.C.B.A, denunciou o atual presidente do Indea (Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso), Marcos Catalão, de 49 anos, por assédio sexual. As importunações teriam ocorrido dentro das dependências do órgão.
Segundo ela, os assédios duraram quatro meses, até que ela pediu exoneração do cargo. No boletim de ocorrência, F.C.B.A relatou que após os três primeiros meses trabalhando a convite do acusado como sua assessora, começou a ser assediada.
A jovem tinha acesso a sala do presidente para repor garrafas de águas, levar café e até mesmo ajudá-lo a escolher sua refeição no cardápio. Pouco tempo depois, começou a notar que o homem estava se aproximando cada vez mais com suas “investidas”.
Em um determinado dia, ela entrou na sala para servir água ao assessorado quando foi surpreendida com o homem dizendo que ela não precisaria utilizar máscara para entrar no gabinete. Pouco depois, ele teria começado a massagear o pênis por cima da calça e fazer diversos gestos obscenos.
A jovem relatou que teria ficado em choque e, ao contar para os pais o ocorrido, os mesmos teriam encorajado a vítima a se desligar do cargo e pedir exoneração do instituto. Devido ao medo da vítima por conta da posição “privilegiada” e “poder político” do acusado, a jovem registrou o boletim de ocorrência com receio de represálias.

Alguns sites postaram que Marcos Catão já teria sido afastado do cargo, porém não existe a confirmação oficial dessa informação até o fechamento desta matéria.

A Polícia Civil investiga o caso.