CASO PACCOLA

Após 1 mês da morte de “Japão”, Câmara rejeita pedido de afastamento de Paccola

Foi aprovado pelo plenário da Câmara de Cuiabá, nesta terça-feira (2), por 21 votos contra um, o parecer da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), decidindo manter o vereador Marcos Paccola (Republicanos) no cargo.

Paccola foi acusado de homicídio qualificado pela morte do agente penitenciário Alexandre Miyagawa, o “Japão”, seguindo o inquérito policial o Ministério Público, apontou que o vereador impossibilitou a defesa da vítima ao atirar pelas costas.

O presidente da comissão, Chico 2000 (PL), informou que o parecer considerou improcedente o pedido de afastemento cautelar, protocolado pela vereadora Edna Sampaio (PT), pois não existe legislação vigente que preveja esta possibilidade na Casa. O processo, portanto, foi arquivado.

“O parecer foi técnico, já que não há previsão de afastamento cautelar em nenhuma legislação. Um decreto que possibilitava esta situação foi revogado em 1997”, explicou em entrevista coletiva.

A decisão será encaminhada à Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, que deve trabalhar no processo que pode levar à cassação de Paccola. O relator, o vereador Cássio Coelho (Patriota), ao retornar de licença na quinta-feira (4), deve abrir o prazo de cinco sessões para que Paccola apresente defesa.

Regimentalmente, o relatório deve ser concluído em até 90 dias, contados a partir da representação.

O caso

Alexandre foi morto no dia 1º de julho. Imagens de câmeras de segurança no local mostram o momento em que o carro dirigido pela namorada de Miyagawa para no meio da rua e a porta do carona é aberta. Logo depois, o veículo retorna e a motorista caminha em direção à loja de conveniência.

Na sequência, o agente penitenciário se aproxima da namorada, mas ela se esquiva em dois momentos. Minutos depois, a vítima segura um objeto na mão direita e as pessoas se afastam. O casal sai da mesa e caminha em direção ao carro. Paccola aparece na esquina e atira.

O vereador alegou, na época, que foi informado de que Myiagawa estava armado e havia ameaçado a namorada.